segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Como ir de férias com os 4 putos sem haver divórcio...



Bom..., então aqui vai o relato de como é que nós conseguimos ir passar 15 dias ao Algarve com 4 crianças, não nos divorciámos por causa do stress, e até deu para, realmente, usufruir...

A epopeia das malas já relatei num post anterior... lá conseguimos enfiar tudo dentro do carro e arrancámos para o Algarve..

Na nossa opinião, a única forma de fazer com que dois adultos sobrevivam a este período, enfiados num apartamento exíguo com quatro crianças, com praias, piscinas, cremes, etc., etc., de forma mais ou menos digna, passa por definir logo um conjunto de rotinas que procuramos implementar desde o primeiro dia.

O primeiro dia é um dia perdido. Arrancamos de Sesimbra por volta das 11h, colocamos um dvd a passar no carro, fones nas duas mais velhas (os dois mais novos adormecem) e a viagem faz-se, normalmente, sem problemas. Como só podemos entrar no apartamento que alugamos às 15h, quando chegamos ao Algarve vamos a um centro comercial almoçar e fazer algum tempo. A Sara faz as compras para os 15 dias, ainda em Sesimbra, no Continente on-line e combina a entrega para coincidir com a hora a que chegamos ao apartamento e, por isso, quando chegamos, mandamos as duas mais velhas para a piscina para não andarem a chatear, e passamos umas boas horas a arrumar bagagens e compras enquanto procuramos entreter os outros dois. O nosso apartamento fica mesmo em cima da praia, não é preciso pegar no carro (o que com 4 filhos pequenos é uma grande mais-valia!!!), pelo que, com sorte, ainda dá para ir dar um mergulho à praia neste primeiro dia.

O apartamento é muito pequeno; só tem um quarto e uma sala (na realidade nós passamos lá muito pouco tempo...É só mesmo para tomar banho e para dormir à noite). Os miúdos dormem todos na sala e nos dormimos no quarto.

Como o Simão ainda acorda durante a noite, eu e a Sara definimos que quem vai lá durante a noite, fica a dormir de manhã, e quem dorme à noite descansado, tira o Simão da cama quando ele acorda (em Sesimbra utilizamos o mesmo modelo). E assim, lá tinha eu, todos os dias, de sair de casa com o Simão por volta das 8h para que ele não acordasse as irmãs, que se levantam mais tarde.
Estes meus passeios matinais com o Simão incluíam, normalmente, uma ida ao Continente (abre às 8.30h). Dava para comprar os meus jornais, tomar o pequeno almoço e comprar alguma coisa que estivesse em falta lá para casa. Achei foi giríssimo a quantidade de pessoas que se aglomera à porta, antes que aquilo abra, e parece que fazem questão de ser os primeiros a entrar!! É como se houvesse um prémio qualquer para os primeiros a chegar a qualquer sítio..

"- Pimbas!!!! Fui o primeiro a agarrar o detergente da loiça!!!! Este já cá canta!!! In your face, losers!!!"

Enfim...

Voltávamos para casa por volta das 10h, para acordar as miúdas e a Sara e dar início ao complexo processo de preparar as coisas para a praia. Enquanto a Sara prepara as comidas (levamos duas geleiras com 2 garrafas de litro e meio de água, fruta variada e 5 marmitas individuais com o almoço respectivo e lanche), eu preparo a mala do Simão (fraldas, toalhetes, creme de fralda, biberão de água, biberão de leite, chucha de reserva, reservatório para o leite, e iogurtes),  a mala da praia (paréo gigante, 1 toalha grande, um toldo 3x3 m com protecção de UV 50+ e que reflete o calor - comprámos na Decathlon e foi determinante nestas férias -, roscas e estacas para montar isto tudo na areia), um chapéu de sol, uma mala com as máquinas fotográficas, equipamento de snorkel, a piscina do Simão, e por ultimo.... uma cadeirinha de praia!!!! Foi a primeira vez que levamos esse símbolo supremo de poder patriarcal ou matriarcal, mas achamos que já merecíamos!!!

Barramos os miúdos com creme, cada uma delas põe uma toalha com capuz em cima e leva a respectiva mochila com brinquedos e boias.

A primeira fase já está...

De seguida temos de levar isto tudo para a praia....

Como já disse, não precisamos ir de carro, o que é logo uma grande ajuda, mas, de qualquer forma, é sempre um filme fazer este percurso... Eu levo o carrinho do Simão com ele lá dentro, a mala do Simão presa ao carrinho, a mochila com as máquinas, o saco da praia e o equipamento de snorkel; a Sara leva as duas geleiras e a Petra por uma mão; a Sofia leva o chapéu de sol e a cadeira de praia; a Alice leva a piscina do Simão; e a Petra e o Simão não levam nada... só atrapalham!

Chegamos à praia por volta das 11.15h e acabámos a segunda fase...

Vamos então dar início à 3ª fase - montagem do equipamento.

A Sofia e a Alice levam a Petra e o Simão para a beira-mar (dentro do nosso campo de visão) e eu e a Sara passamos os próximos 20 minutos a montar o toldo, o chapéu de sol de apoio, a estender o paréo grande debaixo do toldo, a encher a piscina do Simão e a encher bóias e braçadeiras. Com isto acabamos a terceira fase e temos , mais ou menos, 1h para estar com os miúdos à beira-mar a dar uns mergulhos.

Por volta das 12.30h colocamos toda a gente debaixo do toldo (as miúdas sentadas no pareo e o Simão no carrinho), eu dou a respectiva marmita com o almoço a cada uma e a Sara dá a papa ao Simão. Acabado o almoço é altura da sesta para os mais novos e as 2 mais velhas vão para o chapéu de apoio ler um livro ou fazer outra coisa qualquer.



Dica para adormecer um bebé na praia: mergulhá-lo completamente na água e, de seguida, deitá-lo com uma fraldinha na cara e com a chucha - é infalível!!!


Nesta altura eu e a Sara descontraímos. Dá para dar uns mergulhos, fazer, à vez, uns passeios de barco, e, quando temos lá algum amigo que não se importe de dar um olhinho, dar uns passeios demorados ao longo da praia.

Por volta das 16h sai toda a gente da toca. Damos um reforço nos cremes e, se estiver maré vazia, eu vou a empurrar o carrinho e damos todos um grande passeio pela praia. Ficamos na praia até às 18.30h. Nessa altura começamos o demorado processo inverso de arrumar tudo e de ir para casa. Damos um mergulhinho na piscina e vamos para os banhos. Os banhos funcionam como uma linha de montagem: eu vou dando banho a uma de cada vez e, à medida que vão saindo, a Sara vai pondo os cremes e vestindo os miúdos. Às 20.30h arrancamos para jantar e jantamos quase sempre no Holandês dos Caracóis. Come-se muito bem (o melhor polvo à lagareiro e o melhor pernil que conheço) e não é nada caro. Depois do jantar damos aquele passeiozinho típico do Tuga, as miúdas comem um gelado e andam num carrossel, e, por volta das 24h, está tudo na cama a dormir.




No dia seguinte, é fazer tudo igual desde o início...

Apesar de todo o stress inerente a toda esta logística, são 15 dias muito bem passados e que as miúdas adoram. Passamos as férias com outros casais amigos, também com filhos, pelo que, à vezes, somos quase 30 na praia e no restaurante (os empregados do restaurante até têm pesadelos quando nos veêm chegar...).

Até deu para pormos os putos, numa noite, a dormir em casa de uns amigos e irmos à festa Revenge of 90's em Vilamoura!! Nesse dia deitámo-nos às 7h e, como podem imaginar, o dia seguinte foi maravilhoso...

E agora está quase na altura de eu ir, sozinho com a Sara, na nossa viagenzinha do costume para descansarmos das férias...



 



 
 


 

 











sexta-feira, 28 de julho de 2017

Vamos de férias!!!!

Esta semana tem sido a loucura cá em casa!

No fim de semana arrancamos para férias e a Sara anda louca!  Algo que é, supostamente, uma coisa boa e desejada, é transformada, pela minha mulher, num foco de stress e preocupação. E tudo isto porquê??? Porque tem de fazer malas...
Fazer a mala tem, para a Sara, um nível de complexidade equivalente a resolver um cubo mágico de olhos fechados, ou a tentar perceber o Paradoxo de Schrodinger. É algo que a consome e que lhe provoca dúvidas e angústias.

Fazer a mala deveria ser algo muito simples, demorar aproximadamente 10 minutos e ser orientado pela aritemética simples. No meu caso é assim! 

Se estou fora 15 dias a equação é simples:

15 dias fora = 10 t-shirts + 3 calções + 1 calças + 3 camisas + 1 sapatos + 1 havaianas + 10 boxers

Para a Sara a equação é completamente diferente:

15 dias fora = TUDO

E isto porque ela não é capaz de, à partida, escolher a roupa que vai usar durante as férias. Segundo o que ela me diz, qualquer pequena variável pode influenciar a escolha do figurino de uma forma muito significativa. Sempre que eu lhe tento explicar que é fisicamente impossível colocar 17 malas de viagem na bagageira do carro e que ela vai ter de optar e não levar mais do que 25 pares de sandálias, a resposta é, invariavelmente, a mesma:
"- Tu não percebes!!!!! Eu não sei o que é que vou usar lá!!!! E se está frio????? (Yá...frio no Algarve...) E se está vento????? E se está calor durante o dia, mas frio à noite???? E se está lua cheia??? E se formos sair à noite???? E se chover???? E se formos a um restaurante de marisco???? E se formos a um restaurante de grelhados???? E se formos a um Centro Comercial??? Tu não percebes!!! Eu não consigo escolher já!!!!!! Deixa-me!!!!!!!"

E isto é válido para ela e para os 4 miúdos...

E o que é estranho é que, para tudo o resto, a Sara é de uma organização infalível! Tudo segue um plano meticuloso e é pensado ao pormenor. As compras no Continente foram feitas on-line e a entrega é agendada para coincidir com a hora a que chegamos ao apartamento; cada uma das miúdas tem uma mochila de praia com os brinquedos que quer levar, com a toalha de praia e com os 22 biquínis que cada uma leva (a Sara, porque é a Mãe, leva 43); foram feitas e congeladas 15 sopas (uma por dia) para o Simão, para não termos que andar de férias a fazer sopa; temos uma mochila só com cremes; uma mala só com medicamentos, um saco com braçadeiras e uma piscina insuflável; carrinho e berço do Simão; carrinho-bengala da Petra; lençóis, almofadas e fronhas para todos; outro saco com óculos, respiradores e barbatanas; toldos,  tendas e chapéus de sol; e, por fim, uma mala com as sandálias da Sara... Não estou a contar, é claro, com as malas com a roupa...  No que a roupa diz respeito, a Sara leva uma mala gigante com a roupa dela e com a minha, e cada miúdo tem outra só para ele...

Carregar o carro é, literalmente, tentar pôr o Rossio na Rua Betesga...


Isto foi o ano passado... Tinhamos menos um filho e por isso levámos muito menos bagagem...



quinta-feira, 20 de julho de 2017

E quando as minhas filhas forem Pré- adolescentes???



Este fim de semana acompanhei um conjunto de atletas a uns campeonatos de natação em Loulé.

Sempre que isto acontece projecto o futuro e pergunto a mim próprio como é que serão as minhas filhas de aqui a uns anos...

Estas atletas são miúdas impecáveis! Responsáveis, educadas, cumpridoras... mas são pré-adolescentes ...

A pré-adolescente é assim uma coisa complicada... não é carne nem é peixe. Sabe de cor as músicas do Panda, mas também adora a última música de um DJ qualquer. Ainda gosta de brincar, sem ninguém saber (normalmente com as irmãs), ao elástico, mas, na escola, comenta depreciativamente, com as amigas, o top que a Rival Para a Vida (RPV) da outra turma está a usar (o oposto de RPV é a BFF - Best Friend Forever - que normalmente muda de 6 em 6 meses).

Ser pré-adolescente significa cumprir à risca um complexo e intrincado conjunto de códigos. Códigos de conduta social, códigos de vestuário, códigos de utilização de determinadas redes sociais, códigos de opções musicais, códigos sobre o vocabulário a utilizar, etc., etc., etc.,. Falhar num só destes códigos; num só dia; num só momento, não é opção! Significa, quase automaticamente, um decréscimo no prestígio social, que vem, quase sempre, acompanhado por uma redução significativa no número de "likes" nas várias fotos que têm nas redes sociais.

Pelo que me tenho vindo a perceber, o Código da Pré - Adolescente (CPA - creio que deve ser distribuído na escola, à entrada para o 7º ano) obriga a que todas usem uns calções de ganga com uma cintura altíssima, quase por baixo das axilas. O top que acompanha os ditos calções pode ser à escolha da pré-adolescente, sendo que a marca desse top a valoriza, ou não.

Relativamente às escolhas musicais, o CPA não permite que a pré-adolescente ouça qualquer música com mais de 2 anos. Qualquer tentativa de fazer uma pré-adolescente ouvir uma música de 2015, tem como resposta: "Stor, isso é, tipo, bué velho!!!". Saber a letra de cor valoriza a pré-adolescente de forma muito significativa.

Também me parece ser obrigatório seguir alguns Youtubers. Este fim de semana mostraram-me um que, segundo me disseram, é dos mais populares. Trata-se de um tipo, com cabelo azul, que se divertia, de uma forma histérica, a destruir a maquilhagem da namorada (também com cabelo azul), que, por sua vez, ia reagindo de uma forma também histérica. Acho que tem milhões de seguidores... Só pode ser obrigatório...

A forma de falar é importantíssima e ocupa um lugar de destaque no CPA!!! É obrigatório que numa frase com 10 palavras, pelo menos 50% sejam "tipo", sendo que o recomendado é 60%!!
Exemplo: "Stor, estou tipo bué atrasada, mas tipo não é culpa minha! Tipo, o autocarro atrasou-se, tipo bué!!!"

As redes sociais, são também algo de muito importante na vida da pré-adolescente. A escolha e a utilização de determinada rede social pode levar ao estrelato social, ou arruinar por completo o ranking social da pré-adolescente. Uma foto com menos de 250 gostos e com menos de 150 comentários a dizer: "Linda", "Gata", ou "Nunca mudes", numa determinada rede social, é sinal que algo não está bem e deve ser retirada imediatamente pela pré-adolescente. O CPA não incentiva (apesar de permitir em alguns casos) a utilização do Facebook, que é, e passo a citar: "...para pessoal bué velho, tipo com mais de 20 anos!". As pré-adolescentes usam o Insta e o Snap (Creio que o CPA obriga a que se use estes diminutivos, porque elas nunca dizem o nome completo...).

Não é, Maria, Carolina, Alice e Eva?

As minhas filhotas ainda estão longe desta fase, mas a Sofia já começa a ensaiar uns "tipos" de vez em quando... Antevejo-lhe um rotundo fracasso social, uma vez que sempre que diz "tipo" fica de castigo...



segunda-feira, 10 de julho de 2017

Que carro comprar quando se tem 4 filhos????




Temos de mudar de carro!!!

Não dá mais...tentámos até ao limite do humanamente suportável, mas agora já não dá mais!
Uma simples ida à praia é um pesadelo, um pulo ao supermercado um desafio, e a perspectiva de passar um fim de semana fora e pôr as malas dentro do carro, implica desafiar a lei da física que estipula que os sólidos não são deformáveis e têm volume constante!!!

Já fiz jogos de Tetris mais fáceis do que tentar pôr os 4 miúdos, carrinhos e malas dentro do carro!!!!

Quando soubemos que a Sara estava grávida do Simão eu tinha acabado de comprar um carro que, supostamente, seria "O" carro de família. Uma coisa sólida, grande, viril, cheia de cavalos e de cilindrada. Um carro à séria! Um carro com uma mala gigante! Um carro de 5 lugares...

A Sara, por sua vez, tinha comprado, há menos de 1 ano, um carro de gaja... Um Fiat 500L. Um carro engraçadinho, com o tejadilho e os retrovisores de uma cor diferente do resto do carro, cheio de mariquices de gaja. Não tinha potência, nenhuma, não andava nada, mas isso não interessava nada! O que interessava é que "era giro"...

É claro que assim que soubemos que vinha aí mais um rebento, a nosso primeira preocupação foi: "E agora??? Temos de arranjar um carro de 7 lugares!!!!"

Após alguma troca de argumentos e de eu ter utilizado todo o meu poderio físico, optámos por trocar o carro da Sara. E trocámos pelo quê? Por outro maravilhoso carro feminino que é o Fiat 500L Living!! É verdade que tem 7 lugares, mas também é verdade que utilizando esses 7 lugares (ou mesmo só 6) ficamos sem mala nenhuma! Como somos sempre muito optimistas (há quem lhe chame inconscientes), achámos, na altura, que tudo se resolveria; que podíamos levar dois carros quando fossemos de férias e que no dia a dia, que é o que importa, não faria grande diferença, etc., etc., etc....
Já experimentaram ir jantar fora com 4 crianças, um carrinho de bebé, um "carrinho-bengala", a mala com fraldas do Simão e da Petra e, eventualmente, se o restaurante em questão for perto de um espaço aberto, duas trotinetas para as mais velhas??? Pois... Boa sorte a pôr isso num carro sem mala...!!

Há coisa de um mês resolvemos ir passar um fim de semana ao Alentejo. Pensei: "Ah, isto é só um fim de semana... Vou tentar convencer a Sara a reduzir a bagagem ao máximo... como são só dois dias talvez ela só leve 7 ou 8 pares de sandálias e 11 ou 12 conjuntos diferentes (hei-de voltar a este tema brevemente...)... Eu levo duas t-shirts, duas cuecas e uns calções... Talvez dê para levar só um carro!!!". Realmente conseguimos reduzir a bagagem e só levámos um carro... A Sara levou tudo na mesma, mas eu só levei uma t-shirt e umas cuecas! O resto foi surreal... Depois de sentarmos os miúdos dentro do carro, enfiámos carrinhos e bagagens lá para dentro nem sei muito bem como. Parecia que estava tudo embalado a vácuo!! As miúdas tinham os pés em cima de sacos, malas no colo e rodas do carrinho a bater-lhes na cabeça. Paragens para fazer xixi estavam proibidas porque ninguém poderia prever o que é que podia acontecer se abríssemos uma porta antes de chegar ao destino. Sempre que a Alice (é a que vai mais atrás) pedia uma garrafa de água, a dita garrafa tinha de passar pelas duas irmãs, contornando vários obstáculos, antes de lhe chegar às mãos.

Não dá mais...

E agora temos de trocar de carro (outra vez...)!!!

Sugestões...?






segunda-feira, 19 de junho de 2017

Um dia de praia...



Ir à praia com  quatro crianças não é tarefa fácil! Se dessas quatro crianças,  duas tiverem 7 meses e 2 anos, estamos a falar de uma epopeia que requer um planeamento detalhado e uma execução rigorosa.
O dia começa cedo. Se queremos estar na praia por volta das 10h, temos de acordar todos por volta das 8h. Eu trato dos pequenos almoços e a Sara começa e preparar as marmitas para um dia de praia. São colocados 5 tupperwers em cima da bancada da cozinha; lá dentro a Sara coloca alface, atum em água, batata cozida e cortada, e um ovo cozido. É tudo regado com azeite e vinagre balsâmico. Um pitéu... Levamos ainda um melão cortado aos cubos, três cachos de uvas já lavados, 5 nectarinas, 7 pacotes individuais de bolachas de água e sal e duas garrafas de 1,5L de água fresca. Para o Simão levamos uma sopa já feita, 2 iogurtes e um biberão com 3 doses de leite em pó, de reserva.
A parte da comida já esta (demorámos  45 minutos e eu já estou a suar...)!!
De seguida eu vou preparar o saco da praia e o saco dos brinquedos, enquanto a Sara trata das roupas... Tratar das roupas, segundo o que ela me diz, é uma tarefa deveras complexa. Para um dia de praia a Sara prepara várias mudas de roupa: uma muda para irem até à praia, uma muda suplente, não vá acontecer um qualquer percalço, e uma muda para o caso de decidirmos ir directamente da praia para um restaurante, jantar. Leva ainda alguns casacos, não se vá dar o caso de terem algum frio, apesar de estarem 45ºC em Sesimbra...
Enfim...
Estou então eu a preparar o saco da praia e o saco dos brinquedos: levamos um páreo de 2x2 metros, 4 páreos normais, 3 toalhas de praia, creme protetor mineral, creme protetor pediátrico, creme especial para a Sara, creme especial para o cabelo, braçadeiras, cadeira insuflavel para a Petra e para o Simão, uma pequena piscina insuflavel para o Simão, 3 baldes, 4 pás, 4 anchinhos, 2 moinhos e 2 passadores de areia.
Entretanto já passaram mais 35 minutos, o Simão está a chorar com fome e a Petra está a fazer uma birra porque quer ver o Panda no meu telemóvel e eu não deixo para não gastar bateria...
O próximo passo é pôr os cremes e vestir os miúdos... as duas mais velhas usam creme pediátrico com espersor (muito fácil de colocar), mas os dois mais novos usam creme mineral que é um terror para colocar. Demoro 15 minutos a colocar o creme à Petra e ao Simão e quando acabo eles têm uma película branca a cobrir todo o corpo.
Está, portanto, tudo pronto para ir para a praia!!!! Falta só colocar dentro do carro a prancha de skimming da Sofia, o carrinho e a cadeira do Simao, e a bengala da Petra...
Chegados à praia, e sendo impossível estacionar o carro a uma distância do areal que permita ir a pé com esta logística toda, encosto o carro, descarrego a Sara, os miúdos, e parte da bagagem e vou estacionar o carro num spot secreto, mais perto do mar mas com um percurso inacessível a crianças.
Na praia, alugamos dois toldos e montamos o acampamento todo. 
O resto é só relaxar e descontrair... Pôr creme de 2 em 2 horas, evitar que a Petra se afogue por ir para dentro de água sem braçadeiras, evitar que o Simão coma demasiada areia, não deixar a Alice bater na Petra porque quer o balde dela, pô-las todas à sombra, durante o almoço, a comer a respectiva marmita, conseguir que a Petra e o Simão façam uma boa sesta, conseguir que as miúdas se entretenham e não saiam da sombra durante as horas de calor, etc., etc., etc.,...
É só relaxar e descontraír...


sábado, 27 de maio de 2017

10 anos de Sofia...!


Como já tinha dito, a Sofia fez 10 anos no sábado passado. Lá fizemos a festa na praia, à semelhança do ano passado, e correu tudo às mil maravilhas. Tivemos uma sorte do caraças com o tempo (estava um dia de verão), os putos divertiram-se à séria e o lanchinho estava muito bom (fizemos no restaurante Portofino - 13 euros/miúdo). Como a sofia só convidou 12 ou 13 coleguinhas foi fácil definir as regras de segurança e controlar os miúdos. Correu tudo bem e, no final, foi só agarrar nas toalhas e nos chapéus de sol e vir para casa - não há cá limpezas para ninguém!!!






E, de repente, passaram 10 anos...

Como é que é possível?? Eu sei que isto é um clichê e que, se calhar, todos os pais sentem o mesmo, mas como é que é possível terem passado 10 anos??? 10 anos é muito tempo!!!!! Ainda ontem estava a Sara a gritar, desesperada, com a miúda a querer sair-lhe pelas costas e agora anda-me esta aqui a cantar músicas do Agir e, qualquer dia, a querer ir de véspera acampar para um concerto dos DAMA para guardar lugar...

10 anos!!! Mais 10 anos e está a acabar o curso, já conduz, já pode saír à noite até às 23.30h e já só faltam 5 ou 6 anos para ter um namorado!!!! Está quase uma adulta!!! Como é que é possivel terem passado tão rápido???

Será que fizemos tudo bem? Será que fomos uns pais perfeitos durante estes últimos 10 anos? É claro que não!! 

Podíamos ter ouvido mais quando ela quer ter conversas de 3h sobre a importãncia das folhas das árvores, podíamos ter brincado mais, sempre que ela nos pede para fazermos uma peça de teatro depois de um dia de trabalho, podíamos procurar ser mais justos sempre que ela anda à porrada com a Alice e nós, já cansados, não queremos saber quem é que tem razão ou não e mandamos as duas para o quarto, etc., etc., etc.

Não fizemos tudo bem, mas, pelos vistos, fizemos muita coisa bem. A Sofia é uma miúda feliz, inteligente, honesta, responsável e autónoma (dentro da autonomia que nós achamos que uma miúda de 10 anos pode ter). É o orgulho e a bebé dos papás (outro clichê...)!!!

Espero que os próximos 10 anos corram tão bem como os primeiros, mas que passem um bocado mais devagar... Não temos pressa...









sexta-feira, 19 de maio de 2017

A Saga das Festas de Aniversário...


A nossa filhota mais velha, a Sofia, está quase a fazer 10 anos!!!

Temos de preparar a festa e, todos os anos, temos a mesma dúvida: o que é que havemos de fazer??

Já passámos por vários registos: já fizemos a festa dentro de casa, já alugámos um insuflável e fizemos a festa no jardim, já alugámos um espaço, e, o ano passado, levámos os putos todos para a praia e fizemos o lanche num dos restaurantes na areia.

O problema é que a Sofia está a entrar naquela fase da pré, pré, pré, pré adolescência, em que não é carne nem é peixe... Ou seja, já não tem idade para uma festa cheia de balõezinhos e chapéus em cone, mas também ainda não tem idade para me responder "tipo, lol..." quando a mandar arrumar o quarto (antes de levar uma galheta) e, consequentemente, querer fazer a festa no "Shopping" com as amigas, e ir à Berska comprar tops...

De qualquer forma, eu e a Sara, já tínhamos posto de parte as festas cá em casa. É, de todas, a pior opção! É verdade que sai muito mais barato, mas implica que a minha mulher passe os 3 dias anteriores a cozinhar. Pior! Sempre que fazemos os aniversários cá em casa, no final, parece que explodiu uma bomba dentro de casa. Os quartos das miúdas ficam virados do avesso; é roupa por todo o lado, brinquedos dentro da sanita, bocados de bolo com recheio de doce de ovos dentro das camas! Um pesadelo! Os putos chegam a atirar brinquedos desde o nosso 3º andar até cá abaixo. Estou sempre à espera que, agarrado a uma bola, venha também um miúdo...

Ainda pior!! Há alguns putos, os mais temerários, que têm mesmo a ousadia de ir mexer nas minhas Nerfs e no meu Sabre de Luz!!! Como se fossem brinquedos!!!!!

Ainda por cima, a minha mulher, como tem sangue africano, tem pavor que falte comida e, por isso, faz doses industriais de tudo! Eu já lhe expliquei que a única forma de fazermos os aniversários cá em casa é adoptarmos a postura dos betos! Não sabem como é? Eu explico...

Nos aniversários dos betos o que é importante é que a toalha da mesa seja do mesmo padrão do que os guardanapos, que, por sua vez, devem ter um apontamento qualquer que faça a ligação ao bolo de aniversário. A mesa de aniversário do beto foi concebida por um designer de interiores, é um monumento à estética e ao bom gosto! No entanto, ninguém vai lá para comer... O beto tem horror a que haja muita comida em cima da mesa (muita comida é coisa de pobre!!!) e, por isso, se houver 30 putos na festa, a mesa pode ter, no máximo, um bolo de aniversário, uma gelatina ligth, uma tarte de cenoura sem gluten, e 3 tijelas com 10 gomas lá dentro (a dar com a toalha, com os guardanapos e com o bolo) impecávelmente empilhadas. Uma festa de betos é uma barrigada de fome garantida!!!

É comum, nas festas dos betos, ouvir-se putos a dizer aos pais:

"- Pai, tenho fome! Pode-me dar uma goma?"
"- Cale-se, José Maria!! Não me faça passar vergonhas!!! Não comeu já a sua???"

Mas a mesa é linda...

Infelizmente, como nós não somos betos, a minha mulher tem mesmo de cozinhar massivamente se queremos fazer a festa cá em casa...

Enfim... e nós temos 4 aniversários para organizar, todos os anos...